IMPUNIDADE (?) TJ-MA decide que denunciados por acidente com “pau de arara”, que matou oito estudantes em Bacuri, não serão mais levados a júri popular; MP vai recorrer da decisão

Os réus no caso do acidente que matou oito estudantes na cidade de Bacuri, em 2014, que seriam levados a júri popularpelos crimes de homicídio qualificado e lesão corporal, deverão ser julgados em primeira instância, por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Oito pessoas morreram durante o acidente envolvendo uma caminhonete ‘pau-de-arara’ em Bacuri (MA) — Foto: Divulgação/Defensoria Pública do Maranhão (DPE-MA)

Os oito estudantes morreram em 2014, no povoado Madragoa, em Bacuri, a 520 km de São Luís. Eles estavam em uma caminhonete ‘pau de arara’ com mais 14 alunos, quando o veículo colidiu de frente com um caminhão transportando pedras. A caminhonete era dirigida por um adolescente que não tinha habilitação e era filho do motorista, que também morreu no acidente.

Adecisão de julgar os réus apenas por homicídio culposo foi tomada, nesta segunda-feira (31), pelo Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), que decidiu acatar o recurso da defesa dos investigados. Votaram a favor dessa decisão os desembargadores Gervásio Protázio dos Santos e Sebastião Bonfim.

O Ministério Público do Maranhão(MP-MA) informou que vai recorrer da decisão, porque entende que os réus devem ser responsabilizados criminalmente pela morte dos oito adolescentes.

“A nossa tese foi do dolo eventual, a partir do momento em que os acusados assumiram o risco de produzir o evento morte, uma vez que propiciaram um transporte precário, chamado de ‘pau de arara’. Também propiciaram que motoristas sem habilitação conduzissem esses veículos e, também, houve a fraude, o direcionamento da licitação. Contra essa decisão do Tribunal ainda cabe recurso para a própria 3ª Câmara Criminal e também para tribunais superiores”, explica o promotor de justiça Igor Marques.

Os cinco réus já haviam sido condenados em 2016, por improbidade administrativa. Eles receberam a pena de 3 anos de prisão pelas fraudes em processos de licitação do transporte público em Bacuri, mas nunca foram presos.

Em 2018, os investigados foram denunciados pelo Ministério Público do Maranhão pelos crimes de homicídio qualificado e lesão corporal, sendo que em abril deste ano a Justiça havia decidido que eles seriam levados a júri popular.

 

Os réus são:

 

Baldoíno Nery: ex-prefeito de Bacuri;

Célia Nery: ex-secretária municipal de Educação;

Gersen James: chefe da comissão de Licitação;

Wagno Setúbal: ex-pregoeiro municipal;

Andrew Santos: sócio-diretor da empresa Conservis (contratada pela Prefeitura de Bacuri para prestar serviços de transporte escolar).

 

Famílias esperam por justiça há 9 anos

 

Durante 9 anos, as famílias das vítimas já perderam as contas de quantas vezes tiveram que vir até o Tribunal de Justiça do Maranhão para pedir respostas.

“A gente tem que lutar por justiça sim, pode passar nove anos, dez anos, até vinte anos, até lá eu quero ter forças pra lutar”, declarou a dona de casa Núbia Costa, mãe de uma das vítimas, à TV Mirante.

Outra vítima que perdeu a vida no acidente foi Nayara, única filha, na época, de Nazilson.

“A gente nunca vai largar de lutar, a gente vai continuar nossa luta. A gente vai recorrer junto com o Ministério Público, a gente vai recorrer até onde der e não vamos recuar”, afirmou o vigilante Nazilson Costa.

A espera pela condenação e prisão dos responsáveis pela tragédia alimenta o sentimento de revolta de quem, do outro lado, espera por justiça.

“Só a gente que perdeu sabe o quanto dói, a gente acordar, dormir com a ausência de alguém que a gente lutou tanto pra criar. Mas, eu creio num Deus que pode tudo e que tudo que aconteceu aqui hoje não vai me parar. Porque força pra lutar por justiça pela minha filha eu vou ter sempre”, declarou amocionada a dona de casa Ana Vieira.

 

Vítimas

 

Ao todo, o acidente provocou a morte de nove pessoas, sendo oito estudantes da rede municipal de Bacuri. Eram eles:

 

Ana Raquel Borges;

Clenilde Asevedo;

Aldaléia Gomes;

Nayara Costa;

Carlos Vinicius Almeida;

Jefferson Silva;

Emyly Farias;

Samyly Farias.

Rogério Rocha que era o proprietário do veículo também morreu no acidente. Além disso, o desastre provocou lesões corporais em oito alunos que estavam na caminhonete.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

YouTube Sotaque

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade